Procurar por novas postagens

As 4 tendências de TI a serem observadas por pequenas e médias empresas em 2018

As 4 tendências de TI a serem observadas por pequenas e médias empresas em 2018

Pequenas e médias empresas estão começando a executar seus planos de 2018 para atrair novos clientes, crescer receitas e lucros, e enfrentar as ondas de mudanças em suas indústrias.  Como as PMEs abordarão a tecnologia nesse ano e como a mudança de panorama de TI afetará as decisões da empresa?

As aplicações de inteligência artificial tornar-se-ão uma parte maior do uso de nuvem da pequena empresa , de acordo com pesquisas e analistas, já que as PMEs aproveitam os avanços de AI da Microsoft , Google , IBM e outros.

Embora as pequenas empresas tenham uma reputação de atraso na adoção de tecnologia emergente, eles provavelmente adotarão soluções da Internet de Coisas para casos de uso discreto .

À medida que a segurança cibernética se torna mais complexa e, e com a persistência do ransomware , as PMEs procurarão terceirizar pelo menos parte de sua segurança cibernética para provedores de serviços gerenciados .

O Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Européia (GDPR), que entrará em vigor em 25 de maio  afetará qualquer negócio que colete dados sobre cidadãos nos países da UE.

Aqui está um olhar sobre quatro tendências-chave publicados pela BizTech Magazine que poderão influenciar nas estratégias de TI de pequenas e médias empresas:

 

1 A nuvem evoluirá para incorporar AI (Artificial Intelligence – tradução: Inteligência artificial ou aprendizagem de máquina)

As PMEs claramente abraçaram a nuvem. De acordo com a IDC, mais de 70% das empresas com entre 10 e 99 funcionários usam a nuvem e mais de 90% das empresas com entre 100 e 499 funcionários.

Dados de Laurie McCabe , co-fundador e sócio do Grupo de PME (BizTech’ s) também indica que a grande maioria das pequenas e médias empresas estão usando pelo menos um aplicativo em nuvem hoje. E essa adoção de nuvem está aumentando em todas as categorias de aplicativos.

Ambos, McCabe e Ray Boggs, vice-presidente de pesquisas PME no IDC, concordam que o uso da nuvem irá evoluir à medida que as empresas buscam obter mais do que apenas custos mais baixos, flexibilidade ou escalabilidade. Cada vez mais, as PMEs incorporarão a AI em suas implantações em nuvem , dizem os analistas.

A maioria das PMEs não vai construir suas próprias ferramentas de aprendizado de AI ou de aprendizagem de máquinas, disse McCabe. As PMEs aproveitarão as ferramentas de AI desenvolvidas por empresas de tecnologia maiores resultando em recursos de processamento de dados mais avançados em aplicativos da nuvem , ela diz. “Mesmo um pequeno desenvolvedor pode começar a colocar esses recursos em seus aplicativos”, acrescenta.

Boggs espera que as PMEs comecem a usar a nuvem e a AI para obter análises mais avançadas, especialmente se houver um retorno claro sobre o investimento. Por exemplo, o AI e a análise baseada em nuvem permitirão que as PMEs “façam um trabalho muito mais afiado ao abordar os clientes que você está servindo, de forma muito mais eficiente”, diz Boggs.

A AI permitirá às PME antecipar as necessidades dos clientes e identificar seus clientes mais lucrativos com base em seus comportamentos , diz Boggs.

A tecnologia existe para alcançar esse tipo de análise, observa Boggs, dando às PME que são proativas a oportunidade de serem líderes. Isso exigirá investimento, mas essas ferramentas baseadas em AI estão se tornando mais acessíveis e fáceis de usar.

 

2 IoT ganhará destaque em mercados verticais específicos

As PMEs continuarão a adotar aplicativos da Internet de Coisas, mas provavelmente para casos de uso específico vertical, dizem analistas.

O relatório de estado de TI da Spiceworks 2018 revela que, entre as empresas com 99 ou menos funcionários, 20% atualmente utilizam o IoT e 17% mais planejam fazê-lo nos próximos 12 meses . Para as empresas com 100 a 499 funcionários, esses números passam para 26 por cento e 17 por cento, respectivamente.

Os dados do Grupo SMB revelam níveis mais altos de adoção de IoT. Os dados indicam que 36 por cento atualmente investem no IoT e 32 por cento mais planejam fazê-lo nos próximos 12 a 25 meses .

Com o IoT, McCabe diz que existem muitos casos de uso pragmáticos para SMBs, seja usando sensores para monitorar o uso de energia e economizar em contas de eletricidade, rastrear ativos no campo ou monitorar a segurança física.

As soluções de IoT que os SMBs usam provavelmente serão específicas da vertical , diz McCabe, incluindo manufatura, rastreamento e construção de ativos. Por exemplo, os sensores podem rastrear o concreto para se certificar de que, quando chega a um local de construção, ele é otimamente seco.

Cada vez mais, McCabe diz, as PMEs virarão para soluções IoT turnkey que só exigem que eles colocem sensores e a plataforma de análise será automaticamente incorporada e ativada.

 

3 A Cibersegurança será simplificada e terceirizada
O universo da cibersegurança está crescendo e se tornando mais complexa. As pequenas empresas mais qualificadas entenderão que têm um conjunto diversificado de necessidades de segurança, diz Boggs, desde a prevenção de perda de dados até a proteção de endpoints e remediação de ameaças.

A idéia de ter um, dois ou três fornecedores de segurança cibernética que podem fornecer todas as ferramentas de que precisam é atraente para as PMEs, de acordo com Boggs. Obter “o melhor” das soluções vários fornecedores pode parecer a melhor abordagem, ele diz, mas na verdade pode adicionar muito tempo, custos e complexidade.

McCabe diz que a maioria dos proprietários de PME não entendem a maioria das soluções de segurança de TI. Terceirizar a cibersegurança ou trabalhar com um provedor de serviços gerenciados pode ter sentido para muitas pequenas empresas, diz ela.

“Para muitas PMEs, eles precisam de um fornecedor com o qual eles trabalhem diretamente, ou com um provedor de serviços gerenciados , para ajudá-los a fazer uma avaliação de risco e descobrir o que eles precisam fazer na segurança cibernética “, diz ela. Isso ajudará as pequenas empresas a apresentarem uma estratégia mais prática para enfrentar seus maiores riscos.

 

4 Regras do GDPR (General Data Protection Regulation) causará dor de cabeça na proteção de dados

O GDPR fornece novos controles rigorosos sobre os dados pessoais.

As empresas precisarão do mesmo nível de proteção para coisas como o endereço IP ou os dados de cookies de um indivíduo como o fazem para o nome , endereço e número da Segurança Social.

Ao coletar os dados as empresas deverão informar os fins do processamento, o período que serão armazenados, os interesses legítimos perseguidos pelo responsável pelo tratamento ou por um terceiro, garantir o direito de retificação ou exclusão integral dos dados pessoais, entre outras coisas.

Como saber se uma determinada empresa brasileira deve cumprir o GDPR? A resposta é: qualquer empresa que possua filiais ou armazene ou processe dados de cidadãos europeus está obrigada a cumpri-lo.

No Brasil, a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor (Senacon, órgão do Ministério da Justiça), passou a discutir a possibilidade de um decreto que não só obrigará as empresas a informar no caso de vazamento de dados, mas também trará punições no âmbito administrativo. Bem como, há discussões em andamento no Congresso Nacional para a aprovação de uma Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais.

O GDPR permite sanções rígidas de até US $ 23,5 milhões (20 milhões de euros) ou 4% da receita anual global , o que for maior, por incumprimento. Apesar disso, muitas PMEs não investiram muito para lidar com os regulamentos.

De acordo com a Spiceworks , a partir de meados de 2017, 53% das empresas com 99 funcionários não investiram nada para lidar com GDPR e 43% entre 100 e 499 funcionários não o fizeram.

No curto prazo, Boggs diz que o GDPR provavelmente não terá um grande impacto nas PMEs.

 

Por:  TIGS

Referências: Phil Goldstein, BizTech  – https://biztechmagazine.com/article/2017/12/4-largest-small-business-it-trends-watch-2018

https://www.dataiq.co.uk/blog/summary-eu-general-data-protection-regulation

http://computerworld.com.br/gdpr-empresas-que-operam-no-brasil-estao-prontas-para-o-regulamento

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *